Santa Érica

A Érica é a santa que 3 vezes por semana entra pela porta dos fundos daqui de casa e realiza a hercúlea tarefa de botar ordem na bagunça que a família faz nos dias que ela não vem. Ela vem de longe, gasta mais de hora dentro dos dois ônibus que tem que tomar para chegar aqui, mas ela não liga, diz que gosta de andar de ônibus. Durante o percurso, ou ela dorme ou se diverte escutando a conversa das outras domésticas a falar mal dos patrões.

Já se tornou praxe nós dois fazermos nosso desjejum no balcão da cozinha, logo depois de ela ter se livrado da pia e colocado a montanha de roupas na máquina de lavar. Enquanto ela devora seu café com pão e manteiga, eu vou de cevada com pão integral no tostex. Já falei que café doce e manteiga vão fazer mais estrago na gastrite que ela já carrega há anos. Mas ela faz ouvidos moucos, diz que o médico liberou, desde que seja sem exagero…

Como dizia, essa moça é uma santa. Qualquer coisa que desapareça aqui em casa, já sabemos, é culpa da Érica que mudou a tal coisa de lugar. Nem sempre é, mas já virou lugar comum acusar a pobre coitada…

Quando trouxemos uma cadelinha aqui pra casa, todo mundo queria cuidar da bichinha, dar de comer, recolher o cocô e lavar a área onde ela fica. Depois que ela cresceu e perdeu o encanto que tem os filhotes, ninguém mais se dá o trabalho; sobrou pra quem? Adivinhem! Pra Érica, claro, que faz tudo isso sem reclamar.

Nunca ouvi ela reclamar de ter que fazer o que quer que seja. Se é preciso fazer ela vai lá e faz. Recolhe pratos, copos, talheres e embalagens vazias que os habitantes dessa casa vão espalhando por todo canto e se “esquecem” de devolver à cozinha ou botar no lixo. Faz a comida sem alho porque um não gosta, pica o tomate em rodelas na salada porque a outra pediu. Ela atende aos minimos caprichos sem jamais questionar os motivos, simplesmente faz e se compraz ao receber a aprovação de quem demandou.

Nesse nosso bate papo matinal, Érica desabafa comigo, me conta tudo e mais um pouco de seu universo de empregada doméstica com mil problemas na família e que luta pra conseguir fechar as contas todo fim de mes. Sinto-me na obrigação de escutar, vejo que esse ouvido faz bem a ela e vou dando meus conselhos aqui e ali. Sempre cuidando para não me intrometer demais na vida dela, que eu já sou escolado com ciúmes de marido…

De vez em quando eu pergunto alguma coisa, já sabendo que estou correndo sério risco da conversa encompridar e eu acabar atropelando meu horário. Ontem lasquei uma pergunta que fazia tempo que queria fazer:

__Érica, você nunca fica com raiva?

__Mas por que você tá me perguntando isso, Chico? Claro que eu fico com raiva!

__É que o máximo que eu já vi foi você ficar triste, mas com raiva eu nunca vi… Me diz uma vez que você ficou com raiva, me conta como foi.

__Hoje mesmo, quando eu estava lavando a pia fiquei louca de raiva…

__Como assim? Eu não vi nada, não escutei nada! De quem você ficou com raiva? Me explica essa história que eu não estou entendendo…

Ela ficou toda vermelha, o rosto franzido e usou uma voz dura, que eu ainda não conhecia.

__Conhece aquele bichinho que o povo de chama joaninha? Hoje entrou uma pela janela e se afogou na água da pia enquanto eu lavava louça.

__Conheço, mas não vai dizer que você ficou com raiva dela!!!

__Não, dela não. Eu salvei a joaninha que estava quase morrendo, coloquei na janela pra ela se secar e deixei ela lá. Quando tirei o olho dela, apareceu uma aranha e abocanhou a coitadinha, foi isso que me deu raiva! Muita raiva, tanta raiva que eu peguei o sabão e matei a aranha esmagada!

__Mas Érica, você salvou uma e matou a outra! Por que você fez isso com a coitada da aranha?

__Coitada nada, o que ela tinha que vir mexer com a joaninha que eu salvei? Só porque ela é mais forte que a joaninha?

Foi a primeira vez que eu vi a Érica com raiva de verdade…

Anúncios

Tags: , , , , , , , , , ,

2 Respostas to “Santa Érica”

  1. chicoabelha Says:

    Mas é verdade, Edna, eu me sinto na obrigação de escutar a Erica, ela precisa disso para se sentir bem e trabalhar melhor o dia todo, juro! Eu me forço porque ela é muito inconsciente de certas coisas e tem muito da pessoa carente que come a sua atenção, entende? Ela não reclama do trabalho dela, mas ela reclama da irmã dela, da mãe, do marido… isso eu me forço ouvir, até para poder palpitar e dar uma ajuda pra ela.

  2. edna Says:

    Chico, conta outra que isso de “Sinto-me na obrigação de escutar” é mentira deslavada, já que você é a pessoa que mais gosta de ouvir “causos” que eu conheço! rsrsrsrs
    Uma Santa mesmo essa Érika…

    Sabe que passei um tempo enorme observando uma borboleta saindo do casulo e quando ela arriscava os primeiros vôos um cão a abocanhou…Passei o dia todo com um aperto no peito! Tanto tempo a natureza levou pra criar aquela lindeza…E o cachorro abocanhou porque se mexia e era colorida…Na verdade brincou com ela! A vida é muito dura às vezes…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: